Polícia Civil
Polícia Civil

O investigador da Coordenadoria de Operações Especiais (COE) e instrutor de tiro da Polícia Civil da Bahia, Álvaro Moraes de Castro, 68 anos, obteve o primeiro lugar no Curso de Tiro de Combate Avançado, realizado, este mês, no Lake Technical Center, Institute of Publica Safety, da Swat Combat Shooting, em Orlando, Florida - Estados Unidos.

Apontado como um dos destaques entre os participantes do treinamento, o profissional baiano foi homenageado pelas instituições americanas promotoras do evento com duas placas e três certificados. O curso, em tempo integral, teve a duração de 80 horas, no período de 7 a 13.

A equipe de instrutores de tiro da Swat de Orlando concedeu a Álvaro o certificado ‘Top Gun’, por ter obtido o primeiro lugar na avaliação da turma. O documento refere-se ao policial como um homem de “mente clara e mão firme”.

O curso na Swat Combat Shooting incluiu a utilização do equipamento ‘taser’ - pistola que dispara dardo e paralisa as ondas cerebrais da pessoa alvejada - manuseio de diversas armas como pistolas, espingardas e fuzil semiautomático Barett, de calibre ponto 50, e arma militar. Na etapa final do treinamento, o investigador baiano participou de um curso de simulação de combate em ambiente confinado, com a missão de desalojar um indivíduo suspeito.

“Considero o curso muito proveitoso para minha atividade profissional, e agradeço a oportunidade que me foi proporcionada pela Secretaria da Segurança Pública e a Polícia Civil da Bahia de constatar como é feito o treinamento de tiro em outro país”, afirmou o investigador, que é credenciado pelo Exército e Polícia Federal para atividades de instrução de tiro, recarga e munição, atirador e tiro prático.

Além de receber certificados fornecidos pela U.S. Police Instructor Teams, assinados pelo instrutor sênior David Pelton e o chief de instructor Richard Rippy, o investigador acompanhou, dentro de uma viatura, uma patrulha feita pelo xerife de Orlando e sua equipe pelas ruas de um dos bairros mais movimentados da cidade americana. Quatro delegados e dois peritos médicos (legal) da Bahia também participaram do curso.