Secretarias estaduais da Educação e Saúde lançam campanha de prevenção e combate ao Aedes aegypti

Date
Categoria
Sua Saúde

As Secretarias da Educação e Saúde do Estado lançam, nesta quarta-feira (28), a campanha 2018/2019 “Inimigo nº 1 – Agora é todo mundo contra o mosquito”, de prevenção e combate ao Aedes aegypti. A campanha será realizada, às 7h30, no Colégio Estadual Pinto de Aguiar, localizado no bairro de Mussurunga 1, e, nesta sexta-feira (30), às 9h, no Colégio Estadual Nossa Senhora de Fátima, em Valéria, ambos em Salvador. O objetivo é intensificar as ações no âmbito do Programa Saúde na Escola.

Além de uma caminhada com distribuição de material educativo, será feita a apresentação do aplicativo Aedes Play, desenvolvido por estudantes do Colégio Estadual Vitor Soares, localizado na Ribeira, para mapear focos do mosquito. A proposta do app, que já está disponível para acesso no endereço: aedesplay.com, é contribuir para que os órgãos competentes possam identificar locais com focos do mosquito. “A ideia é que por meio do app o usuário possa tirar uma foto do local que possui o foco do Aedes que é registrado por meio da geolocalização. Aí, através do sistema, é possível ter acesso a todas as imagens e locais onde foram detectados os focos. Queremos ainda incluir um game que será feito para incentivar ainda mais o combate ao inseto”, afirmou o professor e orientador do projeto, Marcos Pessoa.

A escolha desses dois bairros para dar início à campanha se deve ao fato de, nas últimas avaliações, terem sido as regiões que apresentaram alto índice de infestação predial com a existência de focos. As ações nos colégios da rede estadual consistem na mobilização das comunidades locais contra o Aedes aegypti, incluindo caminhadas e entrega de materiais educativos para os moradores, com o objetivo de conscientizá-los para o enfrentamento do vetor que transmite doenças, como Dengue, Chikungunya e Zika.

O coordenador de Educação Ambiental e Saúde da Secretaria da Educação, Fábio Barbosa, fala sobre a importância da campanha que, ao longo do ano letivo, é executada nos colégios da rede. “O mosquito Aedes aegypti foi responsável, em 2016, por um surto de várias patologias, acarretando várias consequências, inclusive do ponto de vista pedagógico relacionado à permanência dos nossos estudantes na escola para o seu percurso formativo. A Secretaria da Educação elaborou, na época, a Portaria 2728, que traz orientações para as escolas e os Núcleos Territoriais de Educação (NTE) no combate e controle do mosquito. Desde então as nossas escolas têm realizado ações educativas, durante todo o ano, com o objetivo de conscientizar a comunidade sobre a temática”.

A campanha para o enfrentamento do Aedes aegypti está sendo organizada pela Sala Nacional de Coordenação e Controle de Dengue, Zika e Chikungunya (SNCC) do Ministério da Saúde e pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) em parceria com outros órgãos estaduais. Entre as orientações estão a vistoria e limpeza dos prédios e instalações públicas e o uso da ferramenta elaborada para o registro das tarefas rotineiras adotadas para o enfrentamento ao mosquito, disponível aqui e nas plataformas para smartphones.

Semana de combate ao mosquito Aedes aegypti

Palestras, caminhadas, capacitação e mutirões de limpeza estão entre as ações programadas para a semana nacional de mobilização de combate ao mosquito Aedes aegypti (vetor de transmissão das arboviroses), que começou na segunda-feira (26) e segue até sexta (30). Neste ano foram registrados 8.760 casos suspeitos de dengue, 4.080 de chikungunya e 1.296 de zika. De acordo com o coordenador do setor de Doenças Transmitidas por Vetores (CODTV), Gabriel Muricy, a semana da campanha tem como objetivo mobilizar e sensibilizar as gestões estaduais e municipais para desenvolver ações integradas com os setores de saúde, educação, assistência social, meio ambiente/saneamento, para a prevenção das arboviroses (dengue, zika e chikungunya) e combate ao mosquito Aedes aegypti. No dia D, que será 30 de novembro, ocorrerão ações simultâneas em todas as capitais do país a partir de articulação com prefeituras, governos estaduais e população, com visitas em residências, escolas, órgãos públicos, canteiros de obras e outros locais para conscientizar a população sobre a importância do engajamento de todos na luta contra o aedes. A Sala Estadual de Coordenação e Controle das Arboviroses (SECC/Bahia), com suas ações coordenadas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVEP), orienta e apoia a realização de ações educativas com palestras, teatros, oficinas, gincanas, apresentações culturais, rodas de conversa, produção e distribuição de matérias educativos, conforme orientações da Sala Nacional de Coordenação e Controle das Arboviroses. Além disso, serão realizados mutirões de limpeza, com atividades de vistoria e remoções de focos do vetor nas residências, juntamente com caminhadas de conscientização e distribuição de materiais informativos. Este ano, as vistorias também ocorrerão nas unidades da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), e em todo o Centro Administrativo. Nos órgãos com atendimento ao público, os atendentes poderão sensibilizar e orientar durante os atendimentos.  

Cronograma das ações

26 a 29 de novembro - Vistoria nos órgãos e entidades públicas do Centro Administrativo da Bahia (CAB).

26 de novembro - Encontros de capacitação para os agentes de endemias responsáveis pelo controle vetorial no CAB, além da apresentação e implementação do Aplicativo SIGELU (aedes.sigelu.com).

28 e 29 de novembro - Roda de Conversa nas Escolas Estaduais com profissionais da Divep / Apresentação do aplicativo AedesPlay, desenvolvido por estudantes para mapear focos do Aedes / Mobilização da comunidade com carro de som e caminhada nas proximidades da escola, além da distribuição de material educativo sobre o combate ao mosquito Aedes.

30 de novembro - Mesa-redonda com especialistas sobre os aspectos clínicos, impacto do saneamento e controle vetorial nas arboviroses / Lançamento da 1ª Edição do “Boletim Zoonoses no CAB”, que terá divulgação mensal dos dados de infestação do Aedes identificados nas unidades prediais e áreas comuns do CAB.

Fonte: Ascom/Sesab e Ascom/SEC