Rui anuncia reajuste no auxílio alimentação de servidores do Estado

Date
Categoria
Vida funcional

O governador Rui Costa utilizou o Twitter para anunciar, na tarde desta terça-feira (4), aumento no auxílio alimentação dos servidores do Estado. “Autorizei o reajuste no auxílio alimentação para os todos servidores do Poder Executivo do Estado que trabalham no regime de 40 horas semanais. O valor do auxílio vai subir de R$ 9 para R$ 12 diário. Estamos adotando medidas amargas para manter as finanças equilibradas, mas conseguimos assegurar o aumento desse benefício”, escreveu na rede social.

O reajuste foi aprovado pelo Conselho de Política de Recursos Humanos (Cope). A autorização do governador foi publicada no Diario Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (5), por meio da resolução número 540/2018.

O reajuste do benefício vai gerar um impacto de R$ 77 milhões nas contas públicas do Estado em 2019. Com a autorização, o reajuste no auxílio alimentação já será pago na folha de pagamento do próximo mês de janeiro.

No ano de 2009, o Governo do Estado unificou o valor do auxílio alimentação para todos os servidores do Estado, incluindo policiais militares e professores do ensino médio e fundamental, que recebiam valores menores.

Como o auxílio alimentação foi universalizado para todos os funcionários públicos do Estado, qualquer valor de reajuste linear no benefício gera um impacto econômico muito grande para as contas publicas, em função do contingente de servidores estaduais que trabalham no regime de 40 horas (93 mil).

A cada um real de reajuste, o impacto para os cofres públicos do Estado representa cerca de 25 milhões anualmente. Para servidores públicos com faixa salarial menor, como auxiliares administrativos, o reajuste no auxílio alimentação representa mais de 5% da remuneração.  

O Governo do Estado vai fazer um grande esforço de caixa para conceder o reajuste do auxílio alimentação a todos servidores do Poder Executivo do Estado, este ano. A concessão do aumento necessitou um empenho extraordinário do Governo em função da situação pela qual atravessa o país, com retração da atividade econômica e queda de arrecadação.