Público pode enviar vídeos para exibição na reinauguração da Concha Acústica
Ultima Atualização: 02/05/2016 às 16:45:22
Público pode enviar vídeos para exibição na reinauguração da Concha Acústica

A produção do Festival Eu Sou a Concha, que marca a reinauguração da Concha Acústica do TCA, de 13 a 15 de maio, vai receber, até o dia 7 de maio, vídeos do público contando a sua história e experiência no espaço que é conhecido como palco de emoções e de momentos importantes na vida dos baianos. Os selecionados terão seus vídeos exibidos durante a programação do festival.

Para participar da seleção, os interessados devem gravar um vídeo de até dois minutos, com qualquer tipo de câmera ou do celular (na posição horizontal), contando a sua história engraçada, emocionante, de amor, de amizade ou de arte, que tenha acontecido na Concha Acústica. O vídeo deve ser enviado com o nome completo, RG, CPF e telefone de contato, para o e-mail videosconcha@gmail.com.

O envio do vídeo significa que o participante automaticamente autoriza a produção a exibi-lo gratuitamente durante toda a programação do festival, reproduzindo-o livremente por meio das redes sociais, e nas dependências do TCA para apreciação de todo o público presente, assim como autoriza, sem ônus, a sua exibição através da imprensa local e nacional, que esteja cobrindo o evento. Esses vídeos também farão parte da documentação da festa, e poderão ser exibidos pelo Teatro Castro Alves em qualquer oportunidade que lhe seja conveniente.

Reinauguração

A nova Concha Acústica será entregue à cidade pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura (Secult), Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb) e do próprio Teatro Castro Alves, no próximo dia 13 de maio, num festival de três dias que comemora as histórias e momentos marcantes desse espaço cultural. A reforma traz melhorias nos camarins, camarotes, lanchonetes, instalação de novos equipamentos cênicos e da passarela técnica - que além de facilitar na montagem dos shows, será utilizada para qualificar profissionais do cenário cultural.

 

1783 leituras